Núcleo de Estudos Açorianos | NEA
  • PENINHA: a referência da Cultura Popular da Ilha de SC.

    Publicado em 16/03/2023 às 11:49

    Quando Gelci José Coelho descobriu as artes e a literatura ele abriu um mundo de possibilidades para expressar a sua visão de um mundo de cores, alegrias, vivências, e de tradições.
    Numa das suas primeiras “viagens” à Capital do Estado de SC ele reconheceu que os seus sonhos e desejos poderiam se concretizar em experiências culturais autênticas e imaginárias, e que a vida cultural é possível, basta acreditar nas suas formas de expressão.
    Gelci José Coelho “Peninha”, desde que começou o seu curso de História na UFSC, foi incansável na busca das manifestações culturais da Ilha de SC. Como servidor da UFSC, quando iniciou as suas funções trabalhando no Departamento de História, sempre se dedicou às coisas da cultura e das suas formas de expressão. E quando finalmente se encontrou com o universo dos Museus, atuando no então Museu de Antropologia da UFSC – atual MArquE, ele se lançou para um convívio com a Cultura Popular, sendo um aprendiz do fazer cultural acompanhando Franklin Joaquim Cascaes em tudo. Afinal, ele descobriu na prática de Cascaes a sua própria vida cultural.
    Peninha foi o precursor da Museologia em SC. Foi aluno do Curso de Especialização em Museologia na USP, e foi responsável em disseminar os seus conhecimentos na disciplina de Tópicos Especiais: Introdução à Museologia, oferecida pelo Departamento de História (nos anos de 1980).
    Ao lado do seu inspirador e amigo Cascaes, Peninha conheceu o universo mítico, mágico, e imaginário da Ilha de SC.
    O legado de Cascaes é obra de Peninha!
    Peninha lutou para que a produção cultural de Cascaes ficasse aqui na UFSC. Ele integrou os trabalhos de criação do Núcleo de Estudos Açorianos – NEA/SECARTE/UFSC, e foi um dos maiores animadores e provocador das ações de valorização da Herança Cultural Açoriana em SC, e no mundo.
    Nas ações em favor da Museologia em SC ele integrou o grupo de trabalho para a criação do Núcleo de Estudos Museológicos – NEMU, que se tornou uma referência nacional em termos de formação continuada em Museologia.
    Como artista plástico, Peninha vivia sem limites para a criação e expressão. Ele foi o criador e maior incentivador do Palhostok – festival de rock realizado em Palhoça (1974). Viveu as experiências de visitar muitos museus em sua permanência em São Paulo, acumulando desejos de ver Santa Catarina se expressando como um espaço de liberdade artística e cultural.

    A sensibilidade de Peninha em perceber as manifestações populares como expressões da vida das pessoas lhe confere o título de referência da Cultura Popular de Santa Catarina, pois ele viveu intensamente, e ativamente, todas as possíveis formas de expressão da arte e da cultura.
    Estamos, nesta data de 16 de março de 2023, assistindo a chegada de Peninha ao paraíso do convívio dos elementais do nosso imaginário ilhéu. Certamente que ele será recebido com grande alegria por todas as pessoas que já fazem parte de grande Baile Místico da nossa Cultura Popular.
    Francisco do Vale Pereira
    Coordenador NEA/SECARTE/UFSC


  • Visita da Presidência do Governo dos Açores à Florianópolis

    Publicado em 01/03/2023 às 11:24

    No dia 22 (quarta-feira) de março deste ano, o presidente do Governo Regional dos Açores, Dr. José Manuel Bolieiro, junto a uma comitiva, estará visitando Florianópolis em função da comemoração dos 350 anos da fundação de Florianópolis, 275 anos de presença açoriana em Florianópolis e comemoração dos 250 anos da Irmandade do Divino Espírito Santo (Florianópolis/ SC).

    O Presidente participará de diversas atividades comemorativas, sociais e oficiais. Estando no dia 22 (quarta-feira) de março às 9 horas, no centro de Florianópolis, em visita oficial em decorrência da comemoração aos 250 anos da Irmandade do Divino Espírito Santo. A ocasião é a oportunidade do Governo Regional dos Açores fazer a entrega de coroas, cetros e salvas para a Irmandade do Divino Espírito Santo (Florianópolis/ SC) , para a Comunidade do Pântano do Sul (Florianópolis/ SC), para a Comunidade de Sambaqui (Imbituba/ SC) e para a Comunidade de Benfica (Palmeira/ PR), além da entrega de uma viola dois corações (viola de doze cordas) ao Grupo Açor Sul Catarinense (Sombrio/ SC).

    Ainda no dia 22 (quarta-feira), a comitiva dos Açores será recepcionada para um almoço com o Governador do Estado de Santa Catarina. À tarde, às 17 horas, a comitiva participará da Sessão Solene no Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina; pela noite, a comitiva será recepcionada pelo Prefeito de Florianópolis, no Resort Costão do Santinho.

    Nesta ocasião, vários representantes do conselho deliberativo do NEA estarão presentes nas atividades da visita oficial do Presidente do Governo Regional dos Açores.

    No dia 23 (quinta-feira), pela manhã, a comitiva fará uma visita protocolar ao Grupo ND/Record e às 19 horas participará da Sessão Solene realizada na Câmara de Vereadores de Florianópolis.

    O Núcleo de Estudos Açorianos da Universidade Federal de Santa Catarina (NEA/ UFSC), vinculado à Secretaria de Cultura, Arte e Esportes (SeCArtE), estende o convite para celebrar a ocasião das comemorações para toda a comunidade.


  • Reportagem de jornalista da Agecom UFSC sobre reprodução de tainha em laboratório é finalista em premiação de jornalismo.

    Publicado em 22/11/2022 às 11:43

    2° Prêmio de Jornalismo em Ciência, Tecnologia e Inovação: “Na categoria Institucional, o jornalista da Agecom, Maykon de Oliveira Bento, é finalista com a reportagem Tainha de laboratório: UFSC é pioneira na reprodução de espécie em cativeiro.”

    – Notícias UFSC 22/11/2022 

       A reportagem de 24 de Maio de 2022, de Maykon de Oliveira Bento, conta com uma rica quantidade de informações sobre os estudos realizados na UFSC que tem por objetivo reproduzir Tainhas em laboratório. A Tainha, que nas palavras do autor, é “símbolo da tradição” e que, portanto, carrega valorosa importância para toda tradição do litoral catarinense, também está presente na pesca artesanal da região, ou seja, na economia nativa, que poderá, de acordo com os estudos expostos na reportagem, “contribuir para o nascimento de alternativas economicamente viáveis, capazes de garantir a oferta da tainha durante o ano inteiro e agregar valor à sua produção”. Ainda na reportagem, o coordenador do Núcleo de Estudos Açorianos (NEA), Francisco do Vale Pereira, deixou sua contribuição no tema da Tainha enquanto patrimônio imaterial e identidade cultural catarinense.

    Confira a reportagem: https://jornalismoufsc.shorthandstories.com/tainha-de-laboratorio/


  • A benzedura, a universidade e a tradição popular: uma reflexão.

    Publicado em 16/11/2022 às 15:45

    Capa de livro com coletânea de histórias de benzedeiras e benzedores de Florianópolis – SC. 

     

    É recorrente no cenário popular catarinense o aparecimento da Benzedura: como história, saber e solução. É história para os mais jovens. É saber para os benzedores e, sobretudo, para as benzedeiras, que carregam nas costas a permanência dessa tradição; que por sua vez também é solução para aqueles que acreditam na cura de cobreiro, de zipra e da dissolução da tradicional cultura popular frente à importação cultural.

    “Eu é que te benzo, Deus é quem te cura” revela uma oração escrita em folha de papel de autoria desconhecida. O ato de benzer traz a tona uma serie de questões para além da benzedura em si; o caráter místico e/ou religioso, assim como o caráter popular de determinada tradição comumente nos leva – aqueles atrelados ao rigor acadêmico – a uma batelada de enganos e suposições. Se tratando de ciência, a forma religiosa e a ausência de formação acadêmica das benzedeiras e dos benzedores aparecem como um empecilho para o processo de cura. O que se tem por evidente é que a benzedura não substitui qualquer tipo de orientação médica profissional; contudo, o conhecimento popular não deve ser tratado como puro misticismo anticientífico. A utilização de plantas, chás, pomadas e outros recursos carregam um caráter medicinal que advém da experiência e da tradição e que, ao haver proximidade com a pesquisa e a ciência, adquirem uma validade científica, rompendo com os grilhões da alienação acadêmica. Nesse sentido, é dever da própria academia conferir, na medida do possível, as bases para a aceitação do conhecimento popular.

    Outra barreira que a benzedura rompe é a segregação religiosa. Comumente, em tempos sombrios, parece haver uma batalha entre as religiões, sobretudo contra a plena aceitação das religiões de matriz africana. Em meio aos morros e as praias do litoral catarinense, a tradição açoriana abraça a primeira vista, principalmente, a população “nativa” e católica – constantemente associada à figura do “manezinho” – que em uma mão carrega um crucifixo e em outra uma tarrafa, mas também abraça aqueles que têm em suas estantes as figuras dos santos e os tambores de axé. É diante de tal realidade que vemos tanto o exemplo do seu “Chico da Luz”, morador do Campeche há mais de 70 anos, católico e benzedeiro, quanto da dona Enaide, moradora do Morro do Céu e de dona Claudete do Morro do Mocotó, benzedeiras e curandeiras que, respectivamente, preservam a memória do povo preto e da Umbanda, ao se utilizar de guias e santos. Não é demandado tanto esforço, portanto, para enxergar o poder, que é material, concreto, social do ato de benzer; a tradição rompe os muros da universidade, aproximando a população originária da ciência, assim como as diferenças sociais. Eis o motivo da necessidade incessante de se preservar a cultura açoriana e assegurar os direitos do povo originário.

     

    Bibliografia:

    FRANÇA, Maria da Conceição Fernandes de et al. SABERES QUE CURAM: A BENZEDURA COMO TRADIÇÃO POPULARRevista Includere, Mossoró, v. 1, p. 271-273, 2016.

    NERY, Vanda Cunha Albieri. Rezas, Crenças, Simpatias e Benzeções: costumes e tradições do ritual de cura pela fé. In: VI Encontro dos Núcleos de Pesquisa da Intercom, 2006, Uberlândia/MG. Anais. Uberlândia/MG: 2006.

    Costa EP. Benzedeiras no sistema oficial de saúde do Ceará: relações entre religiosidade e medicina popular [internet]. [dissertação]. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie; 2009. 43 f. [acesso em 2019 abr 21]. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2534/1/Elizabeth%20Parente%20Costa.pdf
    » http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2534/1/Elizabeth%20Parente%20Costa.pdf

     


  • Governo dos Açores Convoca para o Cadastro no Site Açorianos no Mundo

    Publicado em 17/10/2022 às 15:16

    O Governo Regional dos Açores convoca todos açorianos por nascimento, ascendência e afinidade que residam fora dos Açores, e cidadãos que tenham residido na Região Autônoma dos Açores por um período mínimo de cinco anos, realizarem seu cadastro no site Açorianos no Mundo, em vista de aproximar todas as comunidades açorianas espalhadas pelo mundo à região do Arquipélago dos Açores.

    Essa aproximação deve incluir não somente o conhecimento dos indivíduos sobre os Açores de hoje e suas potencialidades, como também a participação no processo de contínuo desenvolvimento da região, vinculando-os ao processo eleitoral para a escolha dos representantes das suas comunidades que integram o Conselho da Diáspora Açoriana (CDA).

    Com este intuito, o site Açorianos no Mundo busca estreitar os laços das comunidades açorianas fora do Arquipélago e aproximá-las de sua história e do futuro desenvolvimento da Região dos Açores.

    O Núcleo de Estudos Açorianos, portanto, reforça a convocação do Governo Regional dos Açores para todos que façam parte da história e da cultura açoriana se registrarem no site, tornando possível uma maior integração ao desenvolvimento da região.

    Link para registro: https://acorianosnomundo.azores.gov.pt/registar

     


  • 28° AÇOR – Sombrio/ SC

    Publicado em 27/09/2022 às 14:58

    Apresentações culturais, estandes, desfile das delegações, missa do Divino Espírito Santo, artesanato, comida típica, e muito mais, o 28° AÇOR foi realizado nos dias 16 a 18 de setembro de 2022, em Sombrio/ SC.

    Com 58 apresentações culturais (danças folclóricas, folguedos, canto coral, cantorias do terno de reis e do Divino Espírito Santo e apresentações das escolas do município), a população de Sombrio e de outras partes do estado celebraram a cultura de base açoriana que marca a cultura catarinense.

    O resgate e preservação da herança cultural açoriana pôde ser visto claramente entre os 53 estandes, nas apresentações culturais, no desfile que apresentou pela cidade as roupas e cultura açoriana e na missa do Divino Espírito Santo, que contou com a entrada das bandeiras do Divino.

    A festa comportou 8 espaços de alimentação, contendo em alguns comidas típicas da cultura açoriana. Os estandes trouxeram de técnicas de artesanato até os produtos resultantes destes, ainda houve exposições de características próprias da cultura açoriana enraizada em Santa Catarina, como a arquitetura representada em maquetes.

    O boi de mamão foi uma constante no evento, contando com diversas formas de sua manifestação na região litorânea do estado. Com danças, a população de Sombrio entrou na brincadeira para festejar, sendo chamada a bailar com os grupos na frente do palco.

    Celebrando a fé legada pelos casais açorianos que aqui aportaram, a missa do Divino Espírito Santo ocorreu, recebendo as bandeiras do Divino, representando a vivacidade da cultura na região. Após a missa, foi erguido o mastro de São Sebastião, que foi movido pelas ruas da cidade até ser fixado na frente da igreja matriz.

    O evento foi gigante, recepcionando muitos cidadãos de Sombrio e de municípios vizinhos. Quem não pôde comparecer, fica com algumas fotos do evento:

    Desfile etnográfico foto 6 – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Encontro das bandeiras do divino – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Estandes – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Missa do encontro das bandeiras – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Abertura do 28° AÇOR – Crédito Marcinha Ferreira

    Apresentação grupo Raízes Açorianas (Casa dos Açores de SC)- Crédito Marcinha Ferreira

    Apresentação grupo MIXTURA – Crédito Marcinha Ferreira

    Apresentação grupo Raizes Açorianas (Casa dos Açores SC) – Crédito Marcinha Ferreira

    Desfile etnográfico – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Desfile etnográfico – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Desfile etnográfico – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Desfile etnográfico – Crédito Marcos (Click Fotos)

    Desfile etnográfico – Crédito Marcos (Click Fotos)


  • Entrega do Troféu Açorianidade 2022

    Publicado em 31/08/2022 às 15:49

    Autoridades presentes na Entrega do Troféu Açorianidade 2022

    A Cerimônia de Entrega do Troféu Açorianidade aconteceu no dia 25 de agosto, no município de Sombrio/ SC.

    Além da entrega do Troféu aos agraciados, houveram também as apresentações culturais dos grupos folclóricos Gaivo Açor e Açor Sul Catarinense.

    O Troféu Açorianidade foi criado com objetivo de reconhecer e valorizar o trabalho de Instituições, Pessoas e Empresas, em prol da Cultura de Base Açoriana do estado de Santa Catarina. Sua entrega é o prenúncio da Festa da Cultura Açoriana em Santa Catarina, o AÇOR, que ocorre todo ano. Este ano, a 28ª edição do AÇOR será realizada nos dias 16, 17 e 18 de setembro, no município de Sombrio/ SC.

     

    Confira algumas imagens da Entrega do Troféu Açorianidade 2022:

    Entrega do Troféu Ilha do Pico (Mestre dos Saberes e Fazeres) para Wanildo Rosa, Construtor Naval de Penha

    Professor Eládio segurando o Troféu Ilha Terceira (Grupo Folclórico) representando o Grupo Folclórico Gaivo Açor de Balneário Gaivota

    Grupo Açor Sul Catarinense representando um casal açoriano

    Apresentação cultural do grupo folclórico Gaivo Açor

     


  • NEA Convida para Programação Cultural: Tuna de Medicina do Porto/ Portugal

    Publicado em 24/08/2022 às 16:23

    O Núcleo de Estudos Açorianos e a Secretaria de Cultura, Arte e Esporte (SECARTE – UFSC) convidam a comunidade universitária para participar da apresentação da Tuna de Medicina do Porto (Tuna acadêmica da faculdade de medicina da Universidade do Porto/ Portugal), que ocorrerá no dia 26 de agosto.

    A tuna é um agrupamento musical caracterizado principalmente pela utilização de cordofones (instrumentos de corda), mas não se limitando a estes, podendo ser acompanhada de instrumentos de percussão. Atualmente, a tuna é composta também pela utilização de canto em suas apresentações. Existem dois tipos de tuna, a tuna popular e a tuna acadêmica ou universitária, esta realizada por estudantes de universidades.

    Tuna de Medicina do Porto é uma tuna acadêmica, composta por estudantes da faculdade de medicina da Universidade do Porto, em Portugal. A fundação desta tuna foi a materialização de um sonho antigo de seus fundadores, sendo efetuada em 1991, e tem seu repertório inspirado nas décadas portuguesas de 1930, 1940 e 1950. O grupo realiza suas apresentações para além das fronteiras portuguesas pelo menos desde 1993, passando por uma diversidade de países até então, como Alemanha, Brasil, China, Holanda, Índia, Suíça, entre muitos outros.

    No dia 26 de agosto de 2022, a Universidade Federal de Santa Catarina estará recepcionando a Tuna de Medicina do Porto, contando com sua apresentação no varandão do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, das 12h às 13h, com repertório preparado para esta Digressão, que tem em sua programação apresentações destacadas abaixo.

    Programação das apresentações em Florianópolis:

    25/08 (quinta-feira) 26/08 (sexta-feira) 27/08 (sábado)
    14h: Apresentação da Tuna de Medicina do Porto no Espaço Cultural Dr. Adolfo Bezerra de Menezes/ SEEDE – Seara Espirita Entreposto da Fé 9h30 às 10h: Apresentação da Tuna de Medicina do Porto aos membros da Diretoria do Conselho Regional de Medicina (CRM), com convívio  12h às 13h: Apresentação da Tuna de Medicina do Porto no Mercado Público, Centro de Florianópolis
    12h às 13h: Apresentação da Tuna de Medicina do Porto no Centro de Cultura e Eventos da UFSC

    Além desta apresentação, o grupo da Universidade do Porto continuará seu tour pelo Brasil, passando pelas cidades de Curitiba, Iguaçu e Rio de Janeiro, entre os dias 29 de agosto a 6 de setembro. Acompanhe a Tuna por suas redes sociais: https://www.facebook.com/TunaMedicinaPorto

     


  • NEA Recebe Exposição: Cultura Popular – o nosso Folclore

    Publicado em 23/08/2022 às 14:39

    Em comemoração ao Dia do Patrimônio Cultural (17 de agosto) e ao Dia Nacional do Folclore (22 de agosto), o NEA (Núcleo de Estudos Açorianos, da Secretaria de Cultura, Arte e Esporte) está promovendo e realizando uma exposição de figuras em cerâmica que representam parte da cultura do povo ilhéu, do nosso folclore, tradições e fazeres de uma herança dos casais açorianos que aqui aportaram.

    As peças em exposição são criações de Osmarina e Paulo Villalva, artistas visuais autodidatas de Florianópolis que há mais de 24 anos criam e produzem figuras em cerâmica representando o folclore, a religiosidade e o cotidiano do povo Ilhéu. Osmarina possui longa relação com a arte, desde menina já produzia suas brincadeiras com barro, mas é no ano de 1998 que toma gosto pela a atividade de ceramista quando participa de um curso de Extensão oferecido no Museu de Antropologia da UFSC (atual MArquE). Naquele período, Paulo, que era servidor administrativo da UFSC e artista visual desde sua juventude, passou a colorir com sua arte as obras de Osmarina. Hoje, estas obras são executadas por quatro mãos e dois corações.

    A exposição conta com treze figuras de cerâmica: quatro vendedores ambulantes, na época conhecidos como pombeiros que circulavam pela cidade e freguesias oferecendo o que vendiam (aves, roscas, utensílios etc.); uma figura representando o folguedo do boi-de-mamão; uma representando O louvor ao Divino Espírito Santo, cultuado com muita fé desde a chegada dos Açorianos; uma rendeira; uma benzedeira; duas representações do pão-por-Deus; uma figura que retrata a dança dos Arcos; um manezinho passarinheiro; e um casal de Açorianos com roupa tradicional da Ilha de São Miguel, do Arquipélago dos Açores.

    O NEA convida a todos calouros e estudantes da UFSC, além de toda a comunidade a apreciar a exposição a partir do dia 25 de agosto, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h, aberta de segunda a sexta-feira, no prédio do Núcleo de Estudos Açorianos, situado ao lado do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFSC (MArquE).

    Fotos panorâmicas da exposição:


  • Convite para a Entrega do Troféu Açorianidade 2022

    Publicado em 09/08/2022 às 14:39

    O Núcleo de Estudos Açorianos (NEA – UFSC) irá realizar no dia 25 de agosto a solenidade da Entrega do Troféu Açorianidade 2022. A Entrega ocorrerá no Salão Paroquial, no centro da cidade de Sombrio/ SC, às 18h.

    O Troféu Açorianidade foi criado com objetivo de reconhecer e valorizar o trabalho de Instituições, Pessoas e Empresas, em prol da Cultura de Base Açoriana do estado de Santa Catarina. Com este troféu, entregue anualmente, o NEA tem procurado reconhecer a dedicação destas pessoas e instituições no zelo, em prol da causa da cultura açoriana. Assim sendo, o convite é estendido a todos que queiram prestigiar os agraciados pelo Troféu Açorianidade 2022. É estendido ainda o convite para o 28º AÇOR, a Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina, que ocorrerá também em Sombrio/ SC, durante os dias 16, 17 e 18 de setembro de 2022.